Lingua   

Rap da Rua #NãoVaiTerCopa

Construção Coletiva
Lingua: Portoghese



[2014]

Murales  dall’artista Paolo Ito
Murales dall’artista Paolo Ito
A rua é de quem?
Eu vou te contar
É de quem tem sede,
tem vontade de lutar.

Não se iluda, a Copa não é nossa!
Periferia não tem vez
E a minha gente chora.

A mídia, o Estado, repressão policial
Pra servir classe burguesa
Quem manda é o capital.

Shiu, cuidado! Fale com cautela
Eles falam que é do povo
Mas nunca viu a favela

[refrão]:

"Será mesmo um absurdo
A gente se rebelar
Contra essa tal Copa do Mundo?
E a alegria florescer
E todo mundo ter uma chance de uma vida boa ter?"

Em busca de um padrão
Tudo é sacrificado
E quem mais sofre é o preto pobre
Que é marginalizado.

"Tem que acabar com essa história do negro ser inferior"

Padrão Fifa? Pra quem?
Pra gente que é pobre,
Não sobra um vintém.
Quem vai sofrer com tanto gasto
É o povo mais tarde
Impostos, comida e aumento da passagem.

Higienização social, morador removido
E você se pergunta: o que tenho haver com isso?

O circo tá armado
Que comece o show!
Enquanto vão te explorando,
Você vai gritando GOL!

Pra quê hospital?
Já disse o Ronaldo
Pra fazer Copa do Mundo
Só precisa de estádio.

Meu filho tá morrendo
Na porta do hospital
E tudo culpa de uma ação policial.

[refrão]:

"Será mesmo um absurdo
A gente se rebelar
Contra essa tal Copa do Mundo?
E a alegria florescer
E todo mundo ter uma chance de uma vida boa ter?"

A polícia é bandida
Quer punir, quer matar
O lance agora é desmilitarizar
Quero ver se ela aguenta a revolta popular.

Então:
Deixa passar, deixa passar, deixa passar a revolta popular.

PM truculenta e despreparada
Tem resposta pra tudo
Mete bala de borracha
Mas não se preocupe esse ano tem mais
Eu me protejo com vinagre
PM pode mandar gás.

E o que é então que mais medo te dá?
Os jovens mascarados?
Ou a polícia militar?

Então me diz
O que te dá mais aflição:
A galera do rolezinho?
Ou a política de remoção?

Sem contar no aumento
Que vai ser anormal
Da exploração sexual.

Essa é a realidade
Pátria Amanda Brasil
A que ponto nós chegamos
Nessa pátria que pariu.

Abre esse teu olho
Não se iluda, vem pra Luta.
Não se deixe enganar
Por essa burguesia imunda.

A juventude vai à rua
E no mundo faz mudança
Com a arte que liberta
Ela atua, canta e dança.
Faz rap, grafite, mobiliza geral
Se envolve na política
E não desiste nem a pau.

inviata da adriana - 8/6/2014 - 11:04



Pagina principale CCG

Segnalate eventuali errori nei testi o nei commenti a antiwarsongs@gmail.com




hosted by inventati.org