Lingua   

No vale escuro

Adriano Correia de Oliveira
Lingua: Portoghese


Ti può interessare anche...

Lágrima de preta
(Adriano Correia de Oliveira)
Quatro quadras soltas
(Sérgio Godinho)
Só ouve o brado da terra
(José "Zeca" Afonso)


‎[1975]‎
Versi di Manuel Lopes Fonseca, meglio conosciuto come Manuel da Fonseca (1911-1993), scrittore ‎e poeta portoghese
Musica di Adriano Correia de Oliveira, con arrangiamento e direzione musicale di Carlos Fausto ‎Bordalo Gomes Dias, meglio conosciuto come Fausto (1948-), compositore e cantante portoghese.‎
Album “Que nunca mais” del 1975.‎

Que nunca mais

‎“Ancora ragazzo entrai in fabbrica come apprendista, come se non fosse altro che un nuovo gioco… ‎Ma quando la mano del padrone si alzò per colpirmi impugnai il martello e cominciai un altro ‎gioco: sono entrato nel movimento, ho fatto le scuole serali e con la mia ragazza e i miei compagni ‎di lavoro lottiamo per le cose per cui vale la pena vivere…”‎
Nasci no vale escuro brinquei entre latas
Pulei ao alão andei à pedrada
Escorreguei no muro, caí no jará
Ganhei ao pião a jogar à bola.‎

Perdi a sacola mais o que trazia
A fugir ao guarda que nos perseguia
Mas que bem sabia faltarmos à escola
Mas que bem sabia faltarmos à escola.‎

Já rapaz crescido sequer fui ouvido
Já rapaz crescido sequer fui ouvido
Só meu pai o quis e entrei p'ra aprendiz
Só meu pai o quis e entrei p'ra aprendiz.‎

Para uma oficina minha negra sina
Ofício gritado estalo safanão
Era um pau mandado nas mãos do patrão,
Era um pau mandado nas mãos do patrão.‎

Lembrança dos jogos que tanto gostava
Deu-me p'ra pensar que jogo era aquele
Que jogo era aquele que só um jogava,
Que jogo era aquele que só um jogava.‎

E no outro dia logo que o patrão
Levantou a mão para a bofetada
Peguei no martelo entrei na jogada,
Peguei no martelo entrei na jogada.‎

Mudei de oficina subi de aprendiz
Dobrei uma esquina minha vida fiz
Na escola nocturna meti-me a estudar,
Na escola nocturna meti-me a estudar.‎

Tenho namorada vamos namorar
Tenho amigos certos trabalhamos lutamos
Pelas coisas da vida que queremos viver,
Pelas coisas da vida que queremos viver.‎

inviata da Dead End - 11/12/2012 - 15:49



Pagina principale CCG

Segnalate eventuali errori nei testi o nei commenti a antiwarsongs@gmail.com




hosted by inventati.org