Lingua   

Disparada

Geraldo Vandré
Pagina della canzone con tutte le versioni


OriginaleTraduzione italiana Meri Lao da “Basta: storia rivoluzionaria...
DISPARADADI GRAN CARRIERA ‎
Prepare o seu coração
Prás coisas
Que eu vou contar
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
E posso não lhe agradar...‎
Prepara il tuo cuore ‎
alle cose ‎
che racconterò. ‎
Vengo dal sertào ‎
e posso non piacerti. ‎
Aprendi a dizer não
Ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo
A morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar
Eu vivo prá consertar...‎
Imparai a dire no, ‎
a veder la morte senza piangere
e la morte, il destino, ogni cosa ‎
era fuori luogo. ‎
Io vivo per conciliare tutto. ‎
Na boiada já fui boi
Mas um dia me montei
Não por um motivo meu
Ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse
Porém por necessidade
Do dono de uma boiada
Cujo vaqueiro morreu...‎
Nella mandria ero un bue
ma un giorno montai a cavallo, ‎
non per merito personale ‎
né per l'appoggio di qualcuno ‎
chissà per quale suo scopo, ‎
ma per necessità
del padrone di una mandria ‎
cui era morto il vaccaro
Boiadeiro muito tempo
Laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei...‎
Mandriano per molto tempo, ‎
braccio fermo, laccio forte, ‎
tanto bestiame e tanta gente ‎
tenevo per le briglie. ‎
Continuavo a credere ‎
che il mandriano era un re
Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E nos sonhos
Que fui sonhando
As visões se clareando
As visões se clareando
Até que um dia acordei...‎
Ma il mondo girava ‎
fra le zampe del mio cavallo ‎
e i sogni che facevo ‎
e chiariva le mie visioni ‎
finché un giorno mi svegliai…. ‎
Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente...‎
Allora non ho potuto continuare a fare
il bravo luogotenente del padrone ‎
di bestiame e di gente, ‎
perché il bestiame si marchia, ‎
si acchiappa, si ferra, si ingrassa e si uccide‎
ma con la gente e tutta un’altra cosa…‎
Se você não concordar
Não posso me desculpar
Não canto prá enganar
Vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado
Vou cantar noutro lugar
Se non sei d’accordo
non devo chiederti scusa
io non canto per ingannare.‎
Prendo la mia chitarra, ‎
ti lascio in disparte,‎
vado a cantare altrove. ‎
Na boiada já fui boi
Boiadeiro já fui rei
Não por mim nem por ninguém
Que junto comigo houvesse
Que quisesse ou que pudesse
Por qualquer coisa de seu
Por qualquer coisa de seu
Querer ir mais longe
Do que eu...‎
Nella mandria ero un bue
da mandriano ero un re, ‎
non per me né per nessuno
che mi appoggiasse, ‎
o che volesse o potesse ‎
per un suo qualche scopo ‎
che supera il mio‎
Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E já que um dia montei
Agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte
Num reino que não tem rei
Ma il mondo girava ‎
fra le zampe del mio cavallo ‎
e dato che un giorno montai a cavallo ‎
adesso sono un cavaliere, ‎
braccio fermo, laccio forte, ‎
di un regno senza re


Pagina della canzone con tutte le versioni

Pagina principale CCG


hosted by inventati.org