Lingua   

Vai passar

Chico Buarque de Hollanda
Lingua: Portoghese

Lista delle versioni e commenti


Ti può interessare anche...

Apesar de você
(Chico Buarque de Hollanda)
Bom conselho
(Chico Buarque de Hollanda)
Quem é essa mulher
(Chico Buarque de Hollanda)


[1984]
Album "Chico Buarque"
Scritta con Francis Hime

contra a repressao


... e infatti 20 anni di sanguinosa dittatura si chiusero proprio nel 1984.
Vai passar
Nessa avenida um samba
popular
Cada paralelepípedo
Da velha cidade
Essa noite vai
Se arrepiar
Ao lembrar
Que aqui passaram
sambas imortais
Que aqui sangraram pelos
nossos pés
Que aqui sambaram
nossos ancestrais

Num tempo
Página infeliz da nossa
história
Passagem desbotada na
memória
Das nossas novas
gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão
distraída
Sem perceber que era
subtraída
Em tenebrosas
transações

Seus filhos
Erravam cegos pelo
continente
Levavam pedras feito
penitentes
Erguendo estranhas
catedrais
E um dia, afinal
Tinham direito a uma
alegria fugaz
Uma ofegante epidemia
Que se chamava carnaval
O carnaval, o carnaval
(Vai passar)

Palmas pra ala dos
barões famintos
O bloco dos napoleões
retintos
E os pigmeus do bulevar
Meu Deus, vem olhar
Vem ver de perto uma
cidade a cantar
A evolução da liberdade
Até o dia clarear

Ai, que vida boa, olerê
Ai, que vida boa, olará
O estandarte do sanatório
geral vai passar
Ai, que vida boa, olerê
Ai, que vida boa, olará
O estandarte do sanatório
geral
Vai passar

inviata da Alessandro - 8/2/2010 - 21:32



Lingua: Spagnolo

Traduzione spagnola di Silvia Ulrik e Roberto Echepare.
Versión castellana de Silvia Ulrik y Roberto Echepare
VA A PASAR

Va a pasar
Por la avenida un samba popular
Cada adoquín
De la vieja ciudad
Esta noche
Va a erizarse
Al recordar
Que aquí pasaron sambas inmortales
Que aquí sangraron nuestros pies
Que aquí bailaron nuestros ancestros
En una época
Página infeliz de nuestra historia
Pálido paisaje en la memoria
De nuestras nuevas generaciones
Dormía
Nuestra madre patria tan distraída
Sin percibir que era sustraída
En tenebrosas transacciones
Sus hijos
Erraban ciegos por el continente
Llevaban piedras como penitentes
Irguiendo extrañas catedrales
Y un día, al final
Tenían derecho a una alegría fugaz
Una asfixiante epidemia
Que se llamaba carnaval
El carnaval, el carnaval
(Va a pasar).
Palmas para el ala de los barones hambrientos
El grupo de los napoleones retintos
Y los pigmeos del bulevar
Dios mío, ven a mirar
Ven a ver de cerca a una ciudad cantar
La evolución de la libertad
Hasta el día clarear
Ay!, qué vida buena, oleré
Ay!, que vida buena, olará
El estandarte del hospicio general
Va a pasar

inviata da Alessandro - 8/2/2010 - 21:34



Pagina principale CCG

Segnalate eventuali errori nei testi o nei commenti a antiwarsongs@gmail.com




hosted by inventati.org