Lingua   

Coronel

La Oreja de Van Gogh


Lingua: Spagnolo


Ti può interessare anche...

Jueves
(La Oreja de Van Gogh)


Aquí ya hemos terminado amigo mío, se acabó.
Acércate, dame un abrazo, que este infierno remitió.
Esperadme aquí un momento, y cuidad de esta posición.
Comprobaré que terminamos la misión.

Fue acabar estas palabras y nadie le volvió a ver.
Después de aquella victoria, sólo un loco coronel,
renunciaría una gloria que él jamás logró entender.
Eligió cargar su arma con un clavel.

Cuando los demás dormían se escapaba a la cantina.
Y llorando le contaba una mujer.
Que si el honor y la victoria vale más que las personas,
es que no hemos aprendido nada.

De las lágrimas que visten tu cara,
de la tristeza que esconden tus miradas,
de la vergüenza que siente mi alma.
Cuando nadie canta esta canción,
en la que digo que no me da la gana,
de hacer como que no sé nada
de cada vida que se marcha, sin decir adiós.

Después de cada batalla, se encogía su corazón.
Él debía mostrar orgullo cuando sólo sentía dolor.
Preguntaba siempre al cielo ¿que no había ganado qué?.
Pero nunca nadie supo responder.

Cuando los demás dormían se escapaba a la cantina
y llorando le contaba una mujer
que si el honor y la victoria vale más que las personas,
es que no hemos aprendido nada.

De las lágrimas que visten tu cara,
de la tristeza que esconden tus miradas,
de la vergüenza que siente mi alma.
Cuando nadie canta esta canción,
en la que digo que no me da la gana,
de hacer como que no sé nada,
de cada vida que se marcha, sin decir adiós.

De las lágrimas que visten tu cara.
De la tristeza que esconden tus miradas.
De la vergüenza que siente mi alma.
Cuando nadie canta esta canción,
en la que digo que no me da la gana,
de hacer como que no sé nada.
De cada vida que se marcha, sin decir adiós, sin decir adiós.

28/1/2005 - 10:09




Lingua: Inglese

Versione inglese di Aldo Michell Villanueva Díaz
English version by Aldo Michell Villanueva Díaz

Here and there revised by R.V., June 20, 2006. Thanks, Aldo, for your translation!
THE COLONEL

This is the end, my friend, it is over.
Come here and hug me, ´cuz this hell is over.
Wait for me just a moment, and take care of this guard post
I´ll see that our job here is done.

He just spoke these words and nobody saw him again.
After that victory, just a mad colonel
Renouncing a glory that he never could understand.
He chose to charge his gun with a carnation.

When the others were asleep, he used to go at the cantine,
And a woman told him this, crying.
If honor and victory are more precious than the people,
It means that we´ve learned nothing.

Of tears covering your face,
Of sadness hidden in your eyes,
Of the shame of my soul.
When no one sings this song,
In which I say that I don´t want
To act as if I don’t know anything
Of every life that disappears, without saying so long.

After every battle, his heart became smaller.
He had to show pride when he only felt pain.
He always asked the sky: "What the hell have I won?"
But no one never could give him an answer.

When the others were asleep, he used to go at the cantine,
And a woman told him this, crying.
If honor and victory are more precious than the people,
It means that we´ve learned nothing.

Of tears covering your face,
Of sadness hidden in your eyes,
Of the shame of my soul.
When no one sings this song,
In which I say that I don´t want
To act as if I don’t know anything
Of every life that disappears, without saying so long.

Of tears covering your face,
Of sadness hidden in your eyes,
Of the shame of my soul.
When no one sings this song,
In which I say that I don´t want
To act as if I don’t know anything
Of every life that disappears, without saying so long.

inviata da aldo michell villanueva diaz - 20/6/2006 - 09:30




Lingua: Portoghese

La versione portoghese proveniente da www.musicas.mus.br
CORONEL

Aqui temos terminado,
Amigo meu, se acabou.
Aproxima-se, dá-me um abraço,
Que esse infernou foi mandado.
Espera-me aqui um momento,
Cuida desta posição,
Compravarei que terminamos a missão.

De acabar essas palavras,
E ninguém voltou a ver.
Depois daquela vitória,
Só um louco coronel,
Renunciaria a uma glória que,
Ele jamais obteve a entender,
Ele escolheu trocar sua arma,
Por um cravo.

Quando os demais dormiam se escapava a cantina,
E chorando contava a uma mulher,
Que se a honra e a vitória valem mais que as pessoas,
É que não aprendemos nada.

Das lágrimas que viram teu rosto,
Da tristeza que escondem seus olhares,
Da vengonha que sente minha alma,
Quando ninguém canta esta canção.
É a que digo que não me dá vontade,
De saber como que nada,
Cada vida se vai,
Sem dizer adeus.

Depois de cada batalha,
Se encolhia teu coração.
Ele devia mostrar orgulho,
Quando apenas sentia dor.
Perguntava sempre ao céu,
Que não havia ganhado,
Que nunca ninguém soube responder.

Quando os demais dormiam se escapava a cantina,
E chorando contava a uma mulher,
Que se a honra e a vitória valem mais que as pessoas,
É que não aprendemos nada.

Das lágrimas que viram teu rosto,
Da tristeza que escondem seus olhares,
Da vengonha que sente minha alma,
Quando ninguém canta esta canção.
É a que digo que não me dá vontade,
De saber como que nada,
Cada vida se vai,
Sem dizer adeus.

Das lágrimas que viram teu rosto,
Da tristeza que escondem seus olhares,
Da vengonha que sente minha alma,
Quando ninguém canta esta canção.
É a que digo que não me dá vontade,
De saber como que nada,
Cada vida se vai,
Sem dizer adeus.

inviata da Marcia - 27/11/2007 - 16:55


Pagina principale CCG

Segnalate eventuali errori nei testi o nei commenti a antiwarsongs@gmail.com




hosted by inventati.org